domingo, 24 de agosto de 2008

@ CRAQUES DO PASSADO


RIVELINO
Nome completo: Roberto Rivellino
Data de nascimento: 01.01.1946, São Paulo [SP]
Posição: Meia

Jogando pelo Corinthians, foi ídolo mas sagrou-se poucas vezes campeão: ganhou um Torneio Rio-São Paulo em 1966, mas o título foi dividido entre 4 clubes por falta de datas; do Torneio do Povo em 1971; e da Taça Laudo Natel em 1973.
Durante a passagem por esse eu to copiando coisa que eu nem liclube, Rivellino foi muito cobrado por essa falta de títulos e também porque o Corinthians não conseguia ser campeão paulista há muito tempo, o que era um fato incomum em sua história. A última vez tinha sido em 1954. Porém, não conseguiu dar essa alegria a torcida, pois os rivais eram muito superiores: o Santos tinha Pelé, Ademir da Guia comandava o Palmeiras; e depois o São Paulo contratou Toninho Guerreiro e o uruguaio Pedro Rocha. Mesmo a Portuguesa, contava com grandes craques, como o famoso Ivair, o príncipe. Sem falar ainda dos célebres times do interior: a Ferroviaria de 1959 e 1963, que tinha Dudu. A Ponte Preta de 1970, que contava com Dicá. E o famoso Juventus da Moóca, o moleque travesso, que sempre conseguia vitórias sobre o Corinthians, tornando-se uma espécie de asa negra do clube do Parque São Jorge.
Rivellino acabou saindo, desgastado após a perda do título do Campeonato Paulista de 1974 para o Palmeiras. Após empatar o primeiro jogo por 1x1, os corintianos só precisavam de uma vitória simples para garantir o tão sonhado título. Porém, foram derrotados por 1x0. (Rivellino perdeu uma bola no meio de campo que acabou originando o gol da vitoria do clube rival). Também teria causado estranheza ao atuar o jogo todo mais como um defensor do que atacante, sendo completamente anulado pelo zagueiro Luís Pereira.
Transferindo-se para o Fluminense em 1975, Rivellino fez três gols em sua estréia contra seu ex-clube,enchendo o Maracanã de torcedores em pleno sábado de Carnava . A goleada para o Flu foi de 4 a 1.
Rivellino teve uma das grandes emoções de sua vida ao fazer o gol da vitória do Fluminense por 1 a 0 na decisão da Taça Guanabara de 1975 contra o América[1]. Foi no final da prorrogação de um jogo muito disputado, com mais de 100.000 expectadores no Maracanã. Havia finalmente acabado a fama de pé-frio que ganhara no Corínthians, logo em sua primeira decisão pelo Tricolor.
Sua consagração definitiva como ídolo do time carioca veio com a conquista do Campeonato Carioca de 1975, tornando-se bicampeão em 1976 logo nos dois primeiros campeonatos estaduais disputados, geralmente com o Maracanã recebendo públicos extraordinários .
Marcou 53 gols nos 159 jogos que disputou pelo Fluminense, até 1978, quando foi vendido por um valor extraordinário naquela época, para um clube da Arábia Saudita.
A sua passagem pelo Fluminense foi a maior e mais vitoriosa da sua carreira jogando futebol em clubes: sagrou-se bicampeão carioca, chegou duas vezes às semi-finais do Campeonato Brasileiro e conquistou títulos importantes no exterior, como o Torneio de Paris, a Taça Tereza Herrera, o Torneio de Viña del Mar, entre outros.

COMENTARIO

Dono de uma canhota potente e habilidosa, Riva era um craque de bola, na seleção Brasileira fez muito, jogou tres copas (70/74/78), sendo tri em 70, ao lado de feras como Pele, Tostão, Gerson e cia, mas nem por isso se intimidou e mostrou que tinha persolnalidade.
Ainda vi Rivelino bem no final de sua carreia, mas nunca ao vivo, na epoca era dificil na tv, então o velho e amigo radinho de pilha nos dizia como era.
............................................................Jp

Um comentário:

Pâm SãoPauliNa-RP disse...

Olá bom dia, tudo bem?
Bom eu não pude ter a oportunidade de ve-lo jogar, mas o que vejo alguns vídeos parece que ele jogou muito bem.........

pq não nasci na epóca de grandes jogadores!!!

Beijoss
=D